Barreiras para a prática da enfermagem baseada em evidências no Brasil

Maria Cristiane Barbosa Galvão, Vivian Fernandes, Ivan Luiz Marques Ricarte, Fabio Carmona

Resumo


Introdução. Profissionais de enfermagem constituem grande parte da força de trabalho dos sistemas de saúde, motivo pelo qual estudos têm observado as barreiras enfrentadas por esses profissionais para o uso de evidências. Dentre elas são listadas pela literatura internacional: falta de apoio administrativo, falta de confiança em evidências em saúde, tempo insuficiente no trabalho para ler e implementar novas ideias, ausência de autonomia dos enfermeiros para alteração dos procedimentos clínicos, disponibilidade limitada de evidências em enfermagem, distância entre o meio acadêmico e a prática clínica, cultura organizacional cristalizada e falta de treinamentos1, 2.

Objetivos. Considerando-se estudos produzidos em outros países, objetivou-se verificar quais são as principais barreiras para a prática da enfermagem baseada em evidência, em um contexto hospitalar brasileiro.

Métodos. A pesquisa teve caráter quantitativo e obteve a participação de 100 enfermeiros que atuam em um hospital público, universitário, de referência nacional, que atende condições de alta complexidade, localizado no Brasil. Os participantes responderam a um questionário demográfico e a um questionário sobre o uso de evidências no contexto clínico. O estudo seguiu as diretrizes brasileiras de ética em pesquisa com seres humanos.

Resultados. As 10 principais barreiras para a prática da enfermagem baseada em evidências, mencionadas pelos participantes, foram: 1) A remuneração recebida não incentiva a prática baseada em evidências; 2) No local de trabalho, não há tempo para acessar evidências; 3) No local de trabalho, não há treinamentos sobre práticas baseadas em evidências; 4) No local de trabalho, não há métodos de ensino que facilitam a prática baseada em evidências; 5) No local de trabalho, não há uma política para a prática baseada em evidências; 6) No local de trabalho, não há recursos tecnológicos que facilitam a prática baseada em evidências; 7) No local de trabalho, não há incentivo à prática baseada em evidências; 8) No local de trabalho, não há sistemas de apoio à pesquisa de evidências; 9) No local de trabalho, a cultura organizacional não facilita a prática baseada em evidências; 10) No local de trabalho, a gestão e a hierarquia organizacional não facilitam a prática baseada em evidências.

Discussão. Os resultados encontrados no Brasil são similares aos resultados encontrados em outros países. Porém, observa-se que os participantes brasileiros delegam, sobretudo, ao contexto institucional as barreiras para a prática da enfermagem baseada em evidências.

Conclusões. A simples disponibilização de evidências em bases de dados especializadas ou em plataformas governamentais não garantem que os profissionais de saúde façam uso dessas evidências durante a assistência em saúde. As unidades de saúde precisam desenvolver estratégias específicas para o uso de evidências no contexto clínico.


Palavras-chave


Enfermagem baseada em evidências; Hospitais; Brasil

Texto Completo:

PDF PPT

Referências


STRAKA KL, BRANDT P, BRYTUS J. Brief report: creating a culture of evidence-based practice and nursing research in a pediatric hospital. Journal of Pediatric Nursing. 2013, 18(4): 374-8. doi: 10.1016/j.pedn.2012.08.001

DeBRUYN RR, OCHOA-MARÍN SC, SEMENIC S. Barriers and facilitators to evidence-based nursing in Colombia. Investigación y Educación en Enfermería. 2014, 32(1):9-21. doi: 10.1590/S0120-53072014000100002


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


APDIS - Associação Portuguesa de Informação e Documentação em Saúde

Facebook da APDIS